terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Pela manhã, quando estava na pastelaria do costume a tomar o meu café, ouvia (porque os decibéis tornavam impossível não ouvir) a conversa de duas amigas na mesa ao lado:
- E "bai" eu "disse-le", oitocentos escudos à hora, "num" trabalho por menos!
- "Fizestes" muito bem! Querem a casa limpa limpem-na... ou "atão" paguem!
A dada altura uma delas lembrou-se que estava há demasiado tempo à espera da torrada, virou-se para trás e gritou para a menina que estava ao balcão, a uns cinco metros de distância:
- Oh menina "atão"?
E a menina, atrapalhada:
- Está quase...
- Tanto tempo! - continuou a queixosa - Eu já me tinha "bindo" duas "bezes" ou mais! Foda-se!

... é por isso que ser do Norte tem outro encanto...

8 comentários:

Mariquinhas disse...

Lol,"prontes", está tudo dito;))

A Senhora disse...

Aqui é sempre divertido, principalmente São Paulo, quando todas as regiões do país vem "fazer a vida". Os sotaques, inclusive dos bairros da própria cidade, são inconfundíveis.
O sotaque paulistano, além do tchi e do dji, tem a pronúncia forte do "en". Assim, tive que escutar muitas brincadeiras - está ENtENdENdo? :))

Castanha Pilada disse...

Mariquinhas, tudo dito mesmo! Sem margem para dúvidas!

Senhora, se aqui há uma imensidão de sotaques diferentes, eu imagino aí!

Paula Raposo disse...

Pois claro!!!
Beijos.

Saltapocinhas disse...

ahah... mas isso é conversa de "puerto"... Tu tomas café no Porto, carago?

Castanha Pilada disse...

Paula, eu não sei, tenho algumas dúvidas.

Saltapocinhas, noum! Num foi no Puorto, foi na minha terra mesmo!

Luís Maia disse...

O pessoal do Norte também migram e trazem a língua com eles

Castanha Pilada disse...

Ah pois! E todos os outros!