terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Abro o frasco e inspiro. O cheiro do doce de tomate!...
O dia em que se fazia doce de tomate lá em casa era para nós uma festa tão animada como o natal ou os aniversários. Distribuídos em alguidares de plástico por toda a cozinha, havia quilos e quilos de tomates encarnados de maduros que a minha mãe mergulhava em água a ferver para tirar a pele que se encolhia e encaracolava e parecia magia. Quando fiquei uma "mulherzinha", não sei ao certo que idade tinha mas foi assim que me explicaram, fui autorizada a ajudar nesta operação que já era capaz de realizar sem queimar os dedos. A seguir tirava-se-lhes as graínhas e cortavam-se aos pedaços. Depois, iam ao lume com o açúcar e o cheiro ia enchendo a casa toda, devagarinho. Lembro-me de tudo só naquele cheiro.
No fim era altura de provar antes de guardar em frascos. Estava muito quente e era preciso soprar até se conseguir degustar sem queimar a língua. Eu queria sempre provar o doce de tomate enquanto estava quente. Era quando o cheiro já tinha invadido os nossos sentidos todos e dava muita, muita vontade. Depois, no resto do ano, nem me lembrava que havia doce de tomate lá em casa. Até porque não gostava. E ainda não gosto.

9 comentários:

Mariquinhas disse...

O olfacto é, também, para mim, um sentido muito importante – aviva "memórias" - quando boas - até, terapêutico...

Paula Raposo disse...

Pois é. Os cheiros são tão importantes...
Eu gosto de doce de tomate.
Beijos.

Saltapocinhas disse...

(ainda bem que já desibernaste...)

Na minha casa também se fazia doce de tomate, mas não em tão grandes quantidades.
Aliás, ainda hoje é a minha mãe quem faz o doce de tomate para filhas e netos. Eu não sei fazer, mas ao contrário de ti, adoro esse doce!
E também funciono muito à base de cheiros, mais até do que de imagens.

Castanha Pilada disse...

Acho que todos funcionamos muito por cheiros. Mas só de vez em quando damos por ela. :)

A Senhora disse...

Menina, eu NUNCA comi doce de tomate!! É a primeira vez que vejo que isso existe! :)
Só de ver você contar me deu água na boca, mesmo sem saber o sabor! :))

Mariquinhas disse...

"...só de vez em quando damos por ela." - Isso é muito bom;))

Taralhoca disse...

Eu também não gosto nada de doce de tomate. Tal como não gosto nada de doce de abóbora. Mas o olfacto não se governa pelas leis do sabor e sempre que sinto o cheiro a doce de abóbora as memórias sabem bem.

Castanha Pilada disse...

Oh Senhora!... (Castanha a fazer uma cara muito espantada)

Lol Mariquinhas, e não é?

Taralhoca, quem não tem memórias num frasquinho de doce? :)

Emiele disse...

Magnífica descrição! Eu, de vez em quando dá-me uma veneta quando se encontra uma fruta barata o lá faço uns frascos de doce seja do que for. Mas é coisa que não dá para fazer poucochinho e a família é pequena de modo que muitas vezes até se estraga. O de tomate (eu sou das que gosta muito) só é chato porque demora emenso tempo ao lume. Mas é óptimo, Senhora!