quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Não tenho talento nenhum para fazer compras em feiras ou mercados ao ar livre. Numa das vezes em que tentei, ainda no tempo dos escudos, fui comprar flores. Depois de escolher um enorme ramo de cravos vermelho-escuro, dirigi-me ao agricultor e perguntei-lhe quanto era:
- Trinta escudos - respondeu ele muito direito, como se se defendesse de qualquer coisa que eu não percebi logo o que era mas que mais tarde descobri serem os regateiros.
- Trinta escudos?! - perguntei eu surpresa por ter achado demasiado barato. É que na verdade, são quinze cêntimos no dinheiro actual, numa florista não daria nem para uma flor!
- Pronto - retorquiu ele já mais humilde - faço por vinte.
E depois novamente na defesa:
- Mas não desço mais nada!

Quanto a mim, só me faltou pedir-lhe que, por favor, não descesse mais o preço, que eu já estava envergonhada q.b. por haver quem pensasse que eu discutia dez escudos num ramo de flores. Paguei rapidamente e fugi dali.

14 comentários:

Miepeee disse...

Gosto imenso de ir a feiras e mercados, divirto-me imenso. E se for preciso regatear o preco tambem o faco :)

A Senhora disse...

Passo... ;)

Castanha Pilada disse...

Miepee, mas isso é um talento. Ou se tem, ou não.

Lol Senhora! Passado!

Emiele disse...

Eu estou como tu... Fico sem jeito. E se por acaso acho mesmo caro e portanto não quero levar e me perguntam «Mas quanto oferece?...»
Aí é que era a aflição. Não queria 'oferecer' nada, queria era fugir dali.

Monday disse...

normalmente, pago se achar justo ... mas se for caro, prefiro não comprar ... e quando começam a baixar preços pra vender, dá vontade de perguntar: se podia ser nesse preço, por que raios estava mais caro?

kuka disse...

Também não nasci com esse dom.
Imaginem o meu martirio quando estive em Marrocos com um amigo que regateava tudo até à exaustão. Inclusivamente o preço do quarto num hotel de 4 estrelas. Não discuti o preço do meu e acabei por pagar o dobro do preço. Resultado: Quando queria comprar alguma coisa, pedia-lhe para comprar e, afastava-me só para não assistir.
Naquele País, quem não tem essa capacidade não tem valor.

Gi disse...

Eu também sou como tu; já a minha mãe, até lhe pagam para ela levar.

Castanha Pilada disse...

Emiele, essa do quanto oferece é a machadada final.

Monday, a questão é mesmo essa. Se nos querem intrujar que o façam como deve ser, ou seja, sem a gente se aperceber.

Kuka, tenho que me lembrar de não ir a Marrocos.

Lol Gi, a tua mãe tem o "dom".

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Gosto imenso de ir a feiras,principalmente na Ásia e na América Latina, mas raramente compro seja o que for. Gosto das cores e de sentir s cheiros.

Castanha Pilada disse...

Os cheiros... não sei se prometem muito...

mfc disse...

Tempos em que o Pau era a moeda corrente em Portugal.
O último preço da bica eram cinquenta paus!

Castanha Pilada disse...

Era muito pau!

Nós, Os Cachorros!!! disse...

Matas-me ainda de tanto rir um dia!!!

Castanha Pilada disse...

:)))