domingo, 15 de fevereiro de 2009

Ao domingo de manhã ia à missa. Bem cedo e em jejum, porque não se podia comer antes de comungar da hóstia consagrada, assim como também não se podia tocar na dita com os dentes sob pena de arder no inferno por toda a eternidade. Hoje, já não consigo precisar quanto tempo duravam os rituais religiosos da manhã de domingo, catequese primeiro seguida de missa. Sei apenas que me pareciam infindos.
Perto da uma hora da tarde eu já não via nem ouvia nada. Enfraquecida pelo jejum, passavam à minha frente imagens e cheiros da galinha corada no forno com puré de batata, que era invariavelmente o almoço de domingo. Involuntariamente, comecei a associar essas imagens e esses cheiros à frase "Vamos em paz, e que o senhor nos acompanhe", que era a última da eucaristia e a que me fazia despertar da letargia da fome com uma alegria que eu tinha que conter para que ninguém pensasse que estava a cometer um pecado.
Ainda hoje, para mim, a missa cheira a galinha assada.

10 comentários:

Kruzes Kanhoto disse...

Nunca fui muito dado a missas. Acho que me tiram o apetite!

A Senhora disse...

Menina, eu brigava todos os domingos com a minha mãe. Não era possível que Deus ficasse só na igreja! :))
Mas a parte mais gostosa era quando tudo acabava e eu ia correndo para o carro e lá estava aminha avó, ligava o rádio para eu ouvir uma história e eu me aconchegava em seu colo. Era a melhor parte de quando eu ia à igreja quando pequena... :)

Castanha Pilada disse...

Kruzes, eu também não frequento. Mas tirar-me o apetite já seria demais.

É senhora, o bom das missas é sempre quando acabam...

Emiele disse...

É experiência que nunca tive, filha (e neta) de ateus 'praticantes'... Os assuntos religiosos passam-se para mim noutro planeta.
Mas já agora (e na mesma onda 'alimentar') tenho de contar também uma história:
Como acabei de dizer, na minha família não se ia à Igreja. Eu nunca tinha ido. Mas houve um casamento, e lá foram os meus pais comigo. Para me fazer ter paciência durante o ritual, contaram que no fim ia haver um banquete - o 'copo-de-água' - com coisas muito boas. Mas a verdade é que eu estava a achar que aquela coisa nunca mais acabava, e (dizem-me, que eu nem me lembro porque era mesmo muito pequenita) a páginas tantas, já chateada pergunto, em voz infantil mas que ressoou pela Igreja toda «Mas então nesta casa não se almoça?!»
Tiveram que sair comigo dali a correr, que todos olharam para o nosso lugar escandalizados...

Castanha Pilada disse...

Lollllllllllllllll!!! Boa!!!!!!!!

Pirilampos disse...

a frase que citas era a minha preferida!!
também não podia tocar na hóstia com os dentes, mas podia comer antes!!

Ups, estou como pirilampa mas sou a saltapocinhas!!

Castanha Pilada disse...

Ufff! Sempre foi a professora! Lol!

Miepeee disse...

Nunca fui de missas e igreja, fiz a primeira comunhao porque foi obrigada depois disse que nao queria mais, felizmente a minha compreendeu.
Tenho a minha fe, mas nao me convidem para missas.

Castanha Pilada disse...

Miepee, eu fiz a primeira comunhão e a seguir a minha mãe tornou-se jeová. Here we go again!

Gi disse...

Como eu te percebo! ;)