sexta-feira, 20 de março de 2009

#5
A minha filha: A M… copiou tudo por mim no teste e a professora descobriu. Depois castigou-me só a mim.
Eu: A culpa é tua!
A minha filha: Minha???!!! Mas não fui eu que copiei!!! Juro!!!
Eu: Acredito. Mas deixaste copiar, não devias.
A minha filha: Vais-me dizer que quando andavas no liceu não deixavas copiar!...
Eu: Claro que não! Nem no liceu nem na universidade. Cada um que estudasse para si. Eu queria ter as melhores notas, e para isso não podia deixar copiar.
A minha filha: Eras gananciosa por notas???!!!
Eu: Era! E ninguém copiava por mim!
A minha filha: E se alguém te pedisse, como era? Como é que encaravas a pessoa daí para a frente?
Eu: Não dizia que não nem que sim. Não deixava copiar e depois podia dizer que a professora estava sempre a olhar, por exemplo.
A minha filha (chocadíssima): Mas tu és do mais sonsa que há!!!...

9 comentários:

Luís Maia disse...

Aqui é que não estamos de acordo e virá ao de cima a nossa diferença de idades (imagino eu ).

Eu sou do tempo da solidariedade, para mim mesmo que viesse para a rua acima de tudo estava o facto de salvar o meu companheiro enrascado.

Muitos deles são os meus amigos de hoje. Não acredito que nas novas gerações isto aconteça, salvo raras excepções

Mas também não havia a competitividade pelas médias para entrar na faculdade

A Senhora disse...

Bom, nunca foi gananciosa por notas, mas, por outro lado, nunca tive a menor paciência para "passar cola" a colega. Assim, diplomaticamente, deixava que colassem - desde que entendessem a minha letra.
Só tentavam colar na primeira prova.

Adorei esse Rui Veloso!

kuka disse...

Nunca tive esse problema. Ninguem queria copiar as minhas respostas que por norma estavam erradas.Lol!

Castanha Pilada disse...

Luís, não contes a ninguém que a miúda não pode saber, mas eu também essa fase parva da solidariedade. Mas na universidade já me tinha curado.

Senhora, sonsa e refinada! Lol!

Lol Kuka, assunto arrumado! :)))

Miepeee disse...

Ainda bem que nao fomos colegas .....sua gananciosa :P

Castanha Pilada disse...

Lol, gostavas de espreitar, era?

Emiele disse...

Pois é, subscrevo o que diz o Luís Maia. Deve ter muito a ver com a competitividade actual, que não havia de todo no meu tempo. Se acontecesse um azar como esse da tua filha, o mais normal seria que a minha amiga se fosse acusar à professora, explicando que tinha sido ela a deitar um olho à minha página... Havia muita solidariedade.

Emiele disse...

Mas, outra coisa: o final da tua história não o classificaria como sonsice. Era uma «maneira airosa» de não ficares de mal com a tua amiga. Digamos «diplomacia». :)

Castanha Pilada disse...

Emiele, há diferenças. Mas nós sobrevalorizamos um bocado a nossa geração, digo eu... lá porque sabíamos ler, escrever e contar!... Grande coisa!