quarta-feira, 6 de maio de 2009

A Emiele e a Saltapocinhas arranjaram-me um bico de obra: Contar o que andava a fazer no dia 24 de Abril de 1974. Primeiro, isso já foi no tempo dos afonsinhos, que é como quem diz no tempo dos Ford Escort e dos Fiat 600 originais. Segundo, a gente ainda consegue fazer um esforço para se lembrar do que andava a fazer no dia 25, agora o dia 24... acho que a malta meteu nos arquivos mortos. Vou tentar fazer uma associação de ideias, tipo investigação do CSI Miami.
Então vejamos:

- Eu tinha feito anos há poucos dias. E não tinha tido festa nem presentes porque, graças a um 9,5 que tive a Matemática, estava de castigo por um mês. Por isso, estava de certeza em casa, com uma grande tromba de elefante, fechada no quarto (que era onde eu estava quando não estava na escola), provavelmente a fazer planos para fugir de casa e nunca mais me verem. Felizmente para mim o castigo acabou no dia seguinte porque os meus pais estavam mais entusiasmados com outras coisas e esqueceram-se.

Esta é a versão verdadeira. Agora a versão interessante:

- Eu estava secretamente a enviar instruções às forças armadas num aparelho transmissor que tinha escondido debaixo da cama ao pé do cotão e das revistas porno que roubava ao meu pai, porque ninguém sabe isto, mas na verdade eu é que fui a estratega de toda a revolução. O Otelo e os outros foram só os testas de ferro. Pronto. Isto era para ser segredo mas agora já sabem.


Agora as vítimas, tinha que ser. O Nando, o MFC, a Mushu e a Vap. Tá feito.

9 comentários:

A Senhora disse...

Evidente que a versão interessante é, aparentemente, a mais verdadeira! :)))

beijos

Emiele disse...

A verdade é que a primeira versão já é qualquer coisa. Estou plenamente convencida que a não ser quem tenha um motivo especial (como foi o meu caso) para se recordar da 'véspera', NINGUÉM consegue lembrar-se de um dia "normal" de há 35 anos.
Já é excelente a tua dedução.
(com que então 9,5 a matemática? mas isso é 10, é positiva, que pais exigentes, caraças!!!)

Luís Filipe Maia disse...

Em comum com esse descritivo só o facto de fazer anos dias antes (21 )

Saltapocinhas disse...

Estou com a Emiele: um castigo por uma nota que nem era assim tão má?
E anos são anos, não deviam ser incluídos nos castigos.

Gostei das tuas histórias!

Emiele disse...

Castanha Pilada, este teu blog tem o poder de ma fazer reviver histórias minhas na linha das que aqui contas.
Desta vez é a questão das notas, e acho que me inspiraste para um outro post para a semana.
(é que, sabes, eu quanto a notas era a verdadeira 'montanha russa', tinha umas baixíssimas nas disciplinas de que não gostava, e muito altas nas que eram da minha simpatia; graças aos céus que tinha uns pais muito tolerantes)

Taralhoca disse...

O que seria a véspera da revolução sem uma nega? Mais um dia esquecido. Faça o favor de agradecer à Matemática. :)

Mariquinhas disse...

Já que nos confidenciou os seus dotes de estratega, caso não os tenha perdido,veja lá se organiza outra revolução que "isto" está a pedi-la...))

mfc disse...

Eu?! Na véspera do 25 de Abril?!
Juro que não sabia mesmo de nada!
Eu vou lá responder no Pé amanhã... está descansada.

Castanha Pilada disse...

Senhora, pronto, já me denunciaste! :)))

Emiele e Saltapocinhas, de facto os meus pais eram severos para além do normal. Mas o Nosso Senhor castigou-os. Tive depois um irmão que, dia em que não tivesse uma negativa nem era dia!

Luís, são as férias 9 meses antes. Há muita gente a nascer em Abril!

Emiele, eu acho que o meu tasco te faz lembrer histórias pessoais porque, no fundo, passámos todos por experiências idênticas. :)

Taralhoca, não foi nega, foi 9,5! E uma tragédia lá em casa!

Mariquinhas, estou a estudar o assunto, estou a estudar o assunto. Já não tenho é o aparelho transmissor, vai ter que ser por mail.

mfc, não sei se acredito! Inocentes há poucos!