terça-feira, 12 de maio de 2009

Na minha infância morei numa casa com árvores de fruto no quintal. Havia uma cerejeira, vários pessegueiros de raças diferentes, um diospireiro, uma nespereira, uma ameixeira branca e uma preta e um canteiro de morangos. Ao contrário do que eu via nos livros da Anita e do que me parecia ser normal em todo o lado, não havia maçãs. Nem laranjas. Nem pêras. Não é que não houvesse maçãs, laranjas e pêras lá em casa. Haver havia. Só que eram compradas na loja da D. Celeste. Do nosso mini-pomar só vinha a fruta doce e boa, aquela que era uma festa só de olhar. Aquela que se reserva para momentos especiais até no nome. Há muita gente com sobrenome Pereira ou Laranjeira, mas já viram alguém chamado Diospireiro? Não. Era aquela fruta que se comia, não porque se tinha fome mas porque se era guloso. Perguntei uma vez à minha mãe:
- Porque é que não plantamos uma macieira e uma laranjeira no quintal? Ou uma pereira?
- Para quê? - perguntou ela - Maçãs arranjam-se em qualquer lado!
Por isso me habituei até hoje a separar a fruta em dois grupos distintos: a fruta para comer e a fruta para comeeeeeeer!!!

10 comentários:

Mariquinhas disse...

A Castanha, publicou mais uma história, e não disse nada do que lá deixamos.Os cartuchos não estão bem aviados?
"Desculpe qualquer coisinha" e mais logo volto,não vá ficar sem jantar....))

Emiele disse...

Que pais espectaculares!!
E achava eu que os meus eram o máximo....


Por acaso eu tinha uma romanzeira no meu quintal, mas acho que já lá estava quando fomos para lá :))

Miepeee disse...

Sua guloooooooosa :)

Castanha Pilada disse...

Mariquinhas, as histórias vão saindo sozinhas às 8 em ponto. Tenho-as agendadas para uma data de dias. E tento vir cá todos os dias responder mas nem sempre consigo ser muito pontual.

Caramba Emiele, esqueci-me das romãs! Também tínhamos uma!

Miepee, sou só um bocadinho.

Emiele disse...

Não vem a propósito deste post, mas admirei esta tua técnica de escrever antecipadamente, e é mais ou menos o modelo que estou agora a usar no Pópulo. É um sossego...
(hoje fiz-te lá uma referência, porque muitas coisas que vais contando aqui sugerem outras que me apetece contar - a tal coisa das cerejas, não é?)

Castanha Pilada disse...

Só que depois as pessoas pensam que eu estou cá e não estou!
Por exemplo, agora mesmo vou pisgar-me e só volto na sexta. :)

A Senhora disse...

Menina, eu morei numa casa em que no quintal tinha jaboticabeira, videira, pé de abricot, abacateiro, goiabeira, mas a nossa preferida era a pitangueira, da casa da vizinha, que caía toda para nosso lado! :))

beijinhos e bom passeio. ;)

Saltapocinhas disse...

para mim a fruta é quase toda boa e de comeeeer. Só não tenho mais árvores porque o espaço é pouco.
O único "desperdício" que tenho é um diospireiro já que ninguém cá de casa gosta de diospiros...
(foi plantado para as avós, mas uma já morreu e a outra agora não os pode comer).
Ficam a ganhar a minha irmã e os melros que, tal é o sossego, até fazem ninho na árvore!

Mariquinhas disse...

Estava toda lambuzada, agora, já me lavei, fiquei com o vestido cheio de nódoas,não importa, estou consolada!!!
Esta é uma história dos "cinco sentidos"!
Então volte bem e divirta-se!

Castanha Pilada disse...

Senhora, Jaboticabeira acho que nunca vi nenhuma. Mas na verdade gostaria de ter visto, deve ser muito melhor que maçãs.

Saltapocinhas, aqui em casa há três melros que aceitam.

Mariquinhas, tem que se pôr um guardanapinho à frente! A fruta deixa nódoas lixadas!