sábado, 12 de setembro de 2009

A família cigana entrou e os pais afastaram-se para serem atendidos num dos balcões do fundo. O filho, um miúdo de uns cinco anos, ficou por ali a brincar, até que reparou na máquina de vending. Aproximou-se da minha mesa e perguntou, exibindo uma moeda de vinte cêntimos numa mão e uma de um euro na outra:
- Posso pôr isto naquela máquina para tirar coisas?
- Podes - respondi - se os teus pais deixarem podes.
Ele dirigiu-se à máquina, mas não tinha altura suficiente para chegar à ranhura. Uma senhora que ia a passar e reparou na cena, questionou-o de modo simpático:
- Então pirralho, estás com algum problema?
- Quero um chocolate quente - disse ele exibindo apenas a moeda de vinte cêntimos.
- Mas isso não chega, é preciso outra igual. Não tens mais?
O miúdo baixou os olhos e acenou que não com a cabeça, com um ar capaz de derreter o coração ao Gengis Khan em pessoa. Até eu, que sabia que ele tinha um euro, me senti capaz de saltar o meu posto de atendimento e ir lá tirar-lhe o chocolate quente. Embora não tenha sido necessário pois a senhora fê-lo por mim.
É a isto que chamam "filho de peixe sabe nadar"?

14 comentários:

A Senhora disse...

Fico imaginando as aulas que ele já teve, só observando os pais. :)) Aquela devia ser um tipo de aula prática. ;)

bjs

Castanha Pilada disse...

Ou estágio.

Paula Raposo disse...

Mais uma história deliciosa!
Um dia que eu não venha aqui, pode ter-me acontecido algo de estranho, porque eu tenho que vir ler diariamente estes mimos! Beijinhos.

Mariquinhas disse...

Eu acho que, também, será - embora haja desvios...Começamos por ser "papagaios de imitação" e depois caso a vida se apresente de "feição" apendemos a falar e pensar por nós próprios - não descurando de "limar arestas"...

Mariquinhas disse...

Castanha,a música está óptima, como ambiência das tuas histórias - versa a comédia e o drama - a abertura é também uma festa - vejo-me, há muitos anos, no jardim da minha cidade a ouvir a banda tocar no coreto do jardim e os patos no laguinho a chapinharem e comerem o meu algodão doce caido no lago e eu a chorar tentando convencer o meu pai a comprar outro ...estou nostálgica demais para o meu gosto:))

Castanha, só por curiosidade, hoje se tiveres pachorra passa uma vista de olhos no telefilme - "Anthero-O Palácio da Ventura" que será transmitido logo às 22h40 na RTP2 e que eu participo como actriz nos papéis - "Maria do Carmo Braga" mulher de Teófilo Braga e "Teresa Goulart" consultora histórica na actualidade.

Castanha Pilada disse...

Obrigada Paula. Mesmo! :)

Mariquinhas, obrigada pela sugestão para a música. Ainda não me tinha lembrado de pôr aqui umas bandas sonoras, que por acaso acho que caem a matar. A mim, a primeira também me faz lembrar a minha infância na feira anual. :)
Às 22h40, certo. Já marquei lugar na plateia! :)

mfc disse...

Olha que a isto não dava eu o meu sorriso...

Castanha Pilada disse...

Ele queria era mesmo uma moeda!

Emiele disse...

E com 5 anos, heim...?!
De pequenino....
História formidável!

Gi disse...

E "quem sai aos seus não é de Genebra" e " mata a mãe e o pai para ficar órfão"; Espera esta não é aqui. ;)

snowgaze disse...

genial, eu também cairia que nem uma patinha. :)

Castanha Pilada disse...

Emiele, devia andar por aí mais coisa menos coisa.

Lol Gi! Andas baralhada mulher!

Então não Snowgaze?

Saltapocinhas disse...

é!

Castanha Pilada disse...

não é?