quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Lembro-me do meu primeiro dia de catequese como se tivesse sido ontem. Quando cheguei sentámo-nos todas numas cadeirinhas a formar uma roda, com a catequista na cadeira maior, como se estivéssemos numa sessão de terapia de grupo dos alcoólicos anónimos. Eu não chegava com os pés ao chão e fiquei a balançá-los para a frente e para trás, sinal de que estava pouco à vontade ali. À minha frente a catequista de coxas grossas e mini-saia minúscula cruzava as pernas. Tinha um cabelo rebelde e comprido e maquilhava-se para além do razoável. Lembro-me de ter pensado que quando crescesse queria ser assim. Como se tratava duma discípula de Deus, não devia haver nada de errado, apesar de no fundo qualquer coisa me dizer que talvez ela não fosse o melhor exemplo de catequista. Ela tinha uma voz suave, muito diferente da minha professora quando ralhava connosco por não sabermos as coisas. Mesmo assim, eu não me sentia no meu elemento e, cada vez mais nervosa, amarfanhava entre os dedos o catecismo que me tinham entregado à entrada. O catecismo era um livrinho pequenino e fino, nada de mais portanto comparado com os calhamaços da escola. Pensei que havia ali pouco para decorar e quanto a isso não deveria haver problema. De acordo com as instruções da catequista, abrimos na primeira página. Em tons pastel, via-se a imagem dum senhor de barbas e cabelo comprido, talvez um hippie, com os pés assentes numa nuvem pequenina e o braço direito levantado como se estivesse a saudar uma multidão, como eu tinha visto fazer ao senhor presidente do conselho quando passou pela nossa aldeia no seu carrão preto. Por baixo, lia-se a pergunta: - "Quem é Deus?" - e a resposta - "Deus é o pai do céu."
Numa demonstração óbvia de que seria mais talhada para outras obras do que para aquela, a nossa tutora, de forma atabalhoada, perguntou em voz alta:
- Meninas! Quem é Deus?
Nós, desconfiadas de que com a resposta ali escrita descaradamente aquilo era fácil demais e que devia haver ali uma armadilha qualquer, permanecemos caladas à espera da surpresa. Até que, com algum desespero, ela respondeu como se nos estivesse a chamar muito lerdas:
- Deus é o Pai do Céu!!!
Depois, perguntou a mesma coisa a cada uma de nós individualmente, e cada uma respondeu o que ela queria ouvir: Deus é o Pai do Céu. No final, numa espécie de resumo da aula, declarou solene:
- Então, hoje ficaram a saber que... Deus é o Pai do Céu!
Para mim, não fazia qualquer sentido ter um pai no céu, assim como não fazia sentido não ter. Era-me basicamente indiferente, desde que aquilo continuasse fácil de decorar como parecia ser.
Apressei-me para casa, pois era dia de galinha assada no forno.

15 comentários:

Mariquinhas disse...

Não sei, nem consigo escrever, tremo toda de tanto rir, não estou a fazer drama, não é que me custe mas...esta é demais ou já me esqueci das outras?;))

Paula Raposo disse...

Eh eh eh curiosamente não me recordo das aulas de catequese. Chego a pensar se cheguei a tê-las. Um mimo a tua história. Beijinhos.

Saltapocinhas disse...

Da minha catequese só me recordo do Rui. Tinha o cabelo aos caracóis e eu gostava muito dele!!

Taralhoca disse...

Eu lembro-me vagamente de ter dito o "Pai Nosso" direitinho e ter ficado muito bem vista. A "mete nojo" da catequisandos até à data em que a "Salve Rainha" se me engasgou...

Castanha Pilada disse...

Mariquinhas, na altura eu não achei piada por aí além. Mas agora acho :)))

Paula, se há coisa que eu me lembro bem é da catequese! :)

Saltapocinhas, sua tola!!! Lol!

Castanha Pilada disse...

Taralhoca, a Salve Rainha era, de facto, f...

A Senhora disse...

Não frequentei catequese, mas era quase como se fosse - simplesmente muda-se o nome da religião. Porque minha cabeça estava no horário. Assim que acabava aquilo, corria para o carro ligar o rádio do carro do papai e escutar histórias. Ah, aquilo sim era bom! :)

Gi disse...

É fantástico as coisas de que te lembras.
Tu deves ter um diário desde que aprendeste a escrever. ;)

Castanha Pilada disse...

Senhora, eu quando era criança tinha uns discos de vinil com histórias em português do Brasil que ouvia vezes sem conta. Já as sabia de cor como se fossem músicas!

Gi, isto com a idade é assim. A gente lembra-se do que fez há 40 anos mas não sabe onde deixou as chaves!

mfc disse...

Valha-nos Santa Engrácia!

Castanha Pilada disse...

Essa não cheguei a aprender quem era...

Gi disse...

Então porque é que eu não me lembro? ;)

Castanha Pilada disse...

Ainda não chegaste lá!!!

Emiele disse...

Quase que me faz pena n
ao ter passado por essas andanças. Mas filha (e neta...?) de ateus, só na escola tive um cheirinho de religião e sempre achei uma espécie de conto de fadas um tanto estranho.
a Castanha tem razão, a gente recorda muito bem as coisas de pequenina, e muitas vezes não nos lembramos onde arrumamos uma coisa de que se precisa :)

Castanha Pilada disse...

Eu às vezes tenho pena de ter perdido tempo nestas coisas. Mas depois... afinal não.