sábado, 5 de setembro de 2009

Por ter dúvidas quanto ao destino de alguns documentos para os quais eu não via qualquer utilidade, telefonei a um órgão de tutela a fim de me informar sobre o procedimento correcto: Arquivo ou destruição dos mesmos. A senhora que me atendeu respondeu-me muito arejada:

- É para destruir! Nós aqui destruímos isso tudo! São coisas que não têm utilidade nenhuma. Então porquê ficarem a ocupar espaço no arquivo?

- Tem razão – respondi eu – era o que eu pensava. Vou então pegar nisto tudo, rasgar e a seguir reciclar.

- É isso mesmo! Basta fazer um auto de destruição!

- Um quê?!

- Um auto de destruição! – respondeu ela como se eu fosse muito estúpida - É um auto que se elabora, onde se diz que nesta data foi destruído o documento tal e tal, e descreve o documento, vai a assinar ao superior hierárquico, regista-se e depois arquiva-se! Mais nada!

- Mas…

- Sim?

- Não… nada… Obrigada. Boa tarde…

- De nada! Boa tarde!


Isto é mais ou menos lavar a loiça toda para depois a meter na máquina. Digo eu.

8 comentários:

A Senhora disse...

Pasma! Chocada! :)))
Sempre escutei história parecida, mas como anedota. Do empregado que pergunta ao patrão o que fazer com aqueles documentos: se arquiva ou os destrói. O patrão diz para destruir, mas antes tirar fotocópia e arquivar em caso de necessidade.

bjs

Mariquinhas disse...

Tal e qual como dizes e Senhora confirma, também eu, mas isto já foi há uns bons anos... quando trabalhei, numa grande empresa privada , o chefe que(sabes daqueles, intermédios, que são piores que os do topo, nunca evoluem mas estão sempre a puxar das divisas)não entendia muito de informática, era muito inseguro, mandava-nos imprimir todos os documentos, mesmo aqueles guardados com segurança no PC, para serem arquivados, não fosse o diabo tecê-las;)) E
Entretanto, a administração da empresa orientava-nos para o contrário na expectativa de reduzir tarefas e recursos humanos. Afinal, ainda há gente assim, pelo que contas, Castanha...

Paula Raposo disse...

É a burocracia a modos que a disfarçar...beijos.

mfc disse...

Vou apontar devagarinho... Auto de destruição!!

Castanha Pilada disse...

Senhora, eu trabalhei com uma que mandava mails para ela própria para ficar com prova de ter tratado daquele assunto! :)

Mariquinhas, eu sou chefia intermédia. Daquelas tipo sargento. Mas não sou assim, lol!

Paula, mas com o rabo bem de fora!

mfc, parece título de filme de acção não parece?

Mariquinhas disse...

:))
Estava a caricaturar uma certa mentalidade que fez "escola", há muitos anos e que tende a desaparer e havia excepções - acredita que até me dava bem com ele, mas no fundo ele é que era vítima do seu próprio fetio, até metia pena. Foi um período de transicção que as pessoas mais velhas e sobretudo com pouco espírito de mudança se viram aflitas.

Emiele disse...

Eu ia falar na anedota que a Senhora contou, porque em Portugal também se contava - o chefe que mandava tirar fotocópia antes de destruir. Este caso é mais soft, no mesmo auto podem ficar muitas coisas, pelo que percebi, mas a ideia base é a mesma... Ele há cada um!

Castanha Pilada disse...

Sim Mariquinhas, eu conheci alguns. Foram mudanças muito radicais. :)))

Emiele, é mais soft mas mauzito na mesma...