quarta-feira, 16 de setembro de 2009

A minha colega do lado, mesmo ali ao meu lado, enviou-me um email para o outlook. Dizia secamente: "Por favor chama tu esse gajo que eu não o quero atender", levantou-se e foi para os bastidores. Depreendi que alguma coisa grave se passava. Eu atendi o cavalheiro, mas como não podia deixar de ser, mais tarde fiz o meu papel de cusca para saber o motivo daquela atitude.
- Ele joga futebol no ********! - explicou ela - E quando eu andava no liceu costumava ir à mesma esplanada que ele tomar café depois do almoço.
- E?...
- E eu estava completamente caidinha por ele! Aperaltava-me sempre toda! Depois chegava lá, passava ali um bocado toda derretida e ele nem dava por mim! Nunca deu por mim, nem sabia quem eu era!
- Mas...
- Mas isso é uma ofensa! Nunca lhe vou perdoar! Não o atendo!
- Ok...

8 comentários:

A Senhora disse...

Com certeza ele percebeu tudo, mandou-lhe um ramalhete belíssimo e um cartão pedindo-lhe perdão, jurando que nunca se aproximara dela por pura timidez. Certo? :))

bjs

Castanha Pilada disse...

Lol! Certíssimo!

Paula Raposo disse...

Lololol sem comentários...beijinhos.

Mariquinhas disse...

A isso pode-se chamar - boa camaradagem - a atitude da Castanha, claro.

Taralhoca disse...

Imagina se o tipo tinha o azar de olhar para alguma que estivesse ao lado. A desdenhada apelava ao lobbie dos balcões públicos e o desgraçado nunca mais conseguia licença alguma! :)

Emiele disse...

Só me ocorre imaginar que vida excelente teve essa tua colega, se isso foi coisa que lhe deixou tal trauma!
Tudo o resto foi uma estrada florida :)

mfc disse...

Sim senhor.... uma razão validíssima!

Castanha Pilada disse...

Pois não Paula, não é preciso.

Mariquinhas, sabia lá eu que me ia sair aquela desculpa...

Taralhoca, são mocinhas muito emocionais...

Emiele, podes crer!

mfc, mais válida não há!