sábado, 13 de junho de 2009

Naquela aldeia encaixada entre dois montes, como em todas as aldeias, vilas e cidades de Portugal, ter uma representação da última ceia na sala de jantar era tão fundamental como ter uma mesa. Talvez porque a semelhança da cena com as refeições reais das pessoas que ali viviam fosse tão dolorosamente evidente (pouca comida, muita gente), mas ao mesmo tempo tão reconfortante visto tratar-se de personagens de tal envergadura e ainda assim tão iguais aos mais simples. Naquela aldeia encaixada entre dois montes todas as representações da última ceia eram iguais porque eram pintadas pela mesma pessoa, o único que num raio de muitos quilómetros era capaz de pegar num pincel e transformar tintas em imagens perceptíveis, por isso respeitado por todos. Só que apesar da rudeza do rosto e das mãos, aquele artista, como todos os artistas do mundo, ansiava ardentemente produzir algo fantástico, saído do mais fundo do seu ser, que não se limitasse à cena daquelas treze pessoas partilhando um pão que era corpo e um vinho que era sangue. E foi com essa vontade queimando-lhe na alma que decidiu ousar, acrescentando uma personagem à cena: Ele próprio, a um canto, assistindo como testemunha presente ao mais marcante episódio da civilização ocidental. Quando foi entregar o quadro o coração batia-lhe como quando era criança e ia roubar fruta aos quintais vizinhos, tentando antecipar a reacção do cliente. Quando a obra foi desembrulhada e exposta, encostada à parede mais iluminada da casa, o comprador pôs uma expressão intrigada. Tirou o chapéu e coçou a cabeça e repetiu este gesto mais duas vezes em silêncio, observando. Não sabia ler, nem escrever, nem contar. No entanto algo lhe dizia que qualquer coisa estava errada. Ao fim de uns minutos atreveu-se:
- Oh vizinho... Mas não está aqui um a mais?
- Um a mais? – o pintor aproximou-se com ar clínico
– Não! Estão os que deviam estar!
- Ia jurar que este aqui não devia cá estar... – e apontou o auto-retrato do canto, com um dedo esticado que perfurou o coração do artista.
- Olhe, está certo... – admitiu ele desolado
– Está aí um a mais sim senhores. Mas não faça caso que ele apareceu só para roer uma côdea e quando acabar abala!
O outro voltou a tirar o chapéu e a coçar a cabeça. Depois de alguns segundos que pareceram horas decidiu-se:
- Ora então assim sendo está muito certo. Deixe cá ficar o quadro. Quando ele quiser abalar eu entrego-lhe o dinheiro e digo-lhe que passe lá por casa para lho dar.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Há uns dias ouvi algures que pior que morrer é ser esquecido. Esta história era-me contada pelo meu avô quando eu era criança. E esta é a minha homenagem ao meu avô José, que construía móveis e brinquedos, remendava sapatos, fazia crescer coisas da terra e contava histórias.
Ele já morreu.
Mas é para não ser esquecido.

10 comentários:

A Senhora disse...

Eu acho tão difícil esquecer avós... Principalmente como o seu.

beijinhos

Castanha Pilada disse...

:)

Miepeee disse...

As pessoas nao devem ser esquecidas nem em vida nem apos a sua morte.

Mariquinhas disse...

Ao olharmos para a nossa infância, vamos percebendo uma série de mudanças, ao longo da nossa vida e a Castanha partilhando connosco a sua “memória” (rica de pessoas e factos interessantes que marcaram a sua vida) vem acrescentar, digo eu, conhecimento para melhor percebermos essas mudanças que fazem a “História da Humanidade”, onde estão incluídas pessoas como o seu avô, o "pintor", o "cliente", pessoas como nós, com os seus pequenos e grandes feitos.
Por tudo isto, obrigada, o seu avô não será esquecido!

Castanha Pilada disse...

Miepeee, pois não. Mas a tendência é para serem. Pelo menos as vulgares como nós.

Mariquinhas, os seus comentários tendem a ficar melhores do que os meus posts, lol! Obrigada, mesmo a sério!

Maria disse...

Não castanha, o talento é todo seu!
Não resisto a expressar, o que as suas histórias me dizem e talvez me alongue um pouco....

Mariquinhas disse...

Bom agora fiz asneira,assinei Maria que na realidade é o meu nome e que uso no Blogue da Emiéle, agora está desvendado o mistério, também não tem importância, nem nenhum motivo secreto (coisa minhas), aqui vou continuar a ser a mariquinhas senão se importa.

Castanha Pilada disse...

Lol, isso não tem importância nenhuma, mas é como eu. Quando me engano e meto uma identidade no sítio errado fico a pensar que já fiz asneira! :)))

Emiele disse...

(ainda não me aconteceu, mas só porque não tenho mais nenhum nome, ou estava sempre a acontecer!!! O mais grave numa história deste tipo foi uma vez que o meu filho deixou um comentário, todo enérgico e irritado, num blog de futebol e como estava aberto o Pópulo, ficou assinado como Emiéle :); foi logo a seguir com o nome ou nick dele a tentar esclarecer)

A história é enternecedora e contada com muita sensibilidade. Até se fica com vontade de ter visto o retrato...

Castanha Pilada disse...

Aqui em casa também acontece isso volta e meia! :)))