sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Foi emocionante o dia em que o meu pai foi buscar o nosso primeiro carro. Era um Fiat 600 branco que parecia meio ovo com estofos vermelhos debruados a preto. Naquele tempo nenhum carro tinha cintos de segurança e muito menos airbags ou coisa que o valha. Nós íamos no banco de trás, de joelhos, a dizer adeus às pessoas que vinham a seguir como se as conhecêssemos de algum lado, ou então deitavamo-nos para ver a paisagem de outro ângulo. Um dia, fomos com o Fiat 600 a um sítio que eu já não me lembro como se chamava mas era uma montanha, e era verão. O pobrezinho, que tinha o motor atrás e a mala à frente, recusou-se a subir mais e ficámos todos apeados no meio da serra. Os adultos preocupadíssimos e nós, as crianças, divertidíssimas, aproveitando para correr pelo meio das árvores e apanhar plantas que não conhecíamos, certos de que os adultos arranjariam uma solução que nos pusesse em casa antes do anoitecer pois era isso que lhes competia. Mas quando o meu pai foi abrir o motor para ver o que se passava, deu-se uma pequena explosão que o deixou com a cara toda negra como nos desenhos animados do Bugs Bunny. Eu e o meu irmão desatámos a rir com a cena tão divertida e ficámos de castigo ali mesmo, no meio da imensidão, os dois sentados a um canto sem poder abrir a boca nem fazer qualquer investigação na natureza. Foi triste.
...

8 comentários:

mfc disse...

O meu primeiro carro também foi um 600...
E aquilo andava que se fartava e sem avarias!

Paula Raposo disse...

Que delícia de história! Gostei da ternura que transparece. Bom fim de semana, beijinhos para ti.

Castanha Pilada disse...

mfc, de certeza que não apagaste ficheiros da tua memória?

Obrigada Paula, um bom fim de semana para ti também! :)

Mariquinhas disse...

O meu cunhado, mais novo, teve um carro desses, em fim de "vida" (ups do carro),em 1980.Agora imagina uma viagem que fizemos juntos, no 600, de Lisboa ao Redondo - Alentejo, paramos de 20 em 20 minutos (não estou a exagerar) para arrefecer o motor e dar-lhe de "beber" foi uma viagem inesquecível! Na época a viagem, normal,levaria mais ou menos 2,30 horas, pois, nós fizemo-la em 5 horas e no pino do verão:))
Para além de ter sido um carro barato (acessível ao bolso de um jovem) era giro (cool) ter um fiat 600;)).

Mariquinhas disse...

Boa, Castanha, só agora ouço a música e, nem de propósito música do meu querido Alentejo, a condizer com o meu comententário...Ah, que nostalgia boa e exactamente "As meninas da Ribeira do Sado" que a mãe do meu cunhado cantava tantas vezes...:))

Castanha Pilada disse...

Lol! Grande viagem deve ter sido essa! Em todos os sentidos!

A Senhora disse...

Acho que o primeiro carro do meu pai foi um daqueles Ford preto, tipo daqueles de gangster de filmes americanos.Depois foi um outro, enorme, acho que Cinca, ou Sinca, nem sei ao certo. E nós, como você, adorávamos dar adeus aos outros motoristas.

Acho que se estivesse com vocês vendo a cena do seu pai também ficaria de castigo. :))))

bjs

Castanha Pilada disse...

Acho que era Simca... Acho...