quarta-feira, 22 de julho de 2009

Era um homem quase grosseiro quase bonacheirão e o seu filho, miúdo de uns oito anos, vivaço.
Sentaram-se ambos à minha frente e chamou-me imediatamente a atenção a postura adulta e compenetrada da criança. Vinham por umas cópias dum projecto de arquitectura do qual não sabiam, nem o número, nem o nome. Mostrei-lhes o local em fotografia aérea, no monitor, e pedi-lhes que assinalassem o prédio exacto.
- Não é nada disso! - respondeu logo o pai - Não há lá nada que seja assim!
- É é! - adiantou-se o filho - então não vês aqui a nossa rua? E aqui a escola?
- Não é nada! Não queiras saber mais do que eu! - respondeu o pai já a ficar irritado.
- Ai isso é que é! - insistiu o garoto. E numa atitude surpreendente, dirigiu-se directamente a mim - Minha senhora, isso dá para pôr os nomes das ruas a aparecer?
- Dá - respondi - mas na verdade ainda nem todas estão cadastradas! - e accionei o layer com a toponímia.
- Estás a ver que não é? - disse o pai orgulhoso - A nossa rua não é essa!
-É - explicou o menino pacientemente - o nome que aqui está é o da rua ao lado, porque o nome da nossa rua ainda não aparece. Mas o prédio está aqui, é este! - e apontou com o dedo.

Depois de tudo estar resolvido e de ter chegado a altura de emitir a guia para pagamento das cópias, pedi ao pai o número de contribuinte, que ele papagueou logo ali sem se enganar e sem olhar a cábula.
- Ena! - comentou o filho - Tu sabes o teu número de cor? Eu não sei os meus!
- É para que vejas que no meu tempo, só com a quarta-classe, ficávamos a saber mais do que vocês agora com a universidade toda feita! Sabíamos decorar! Vocês não sabem nada! - e a seguir dirigiu-se a mim - É ou não é verdade minha senhora?

Eu... desviei os olhos e nem respondi.

11 comentários:

A Senhora disse...

Achei linda a atitude do menino, que por mais espontânea que tenha sido, serviu para "devolver a autoridade" ao pai.

Agora, nomes de ruas, para mim, pode esquecer! Não sei, e pronto! Guardo uma vez, vou lá, aprendo o caminho e dispenso o "nome". A sorte é que eu pego sempre o mesmo motorista! :))

bjs

Paula Raposo disse...

Adorei! Esse miúdo foi lindo! Beijos.

Mariquinhas disse...

Que grande lição deu esse miúdo a quem quis ouvir e perceber!!!
O Pai, pareceu-me um pouco estático a qualquer mudança...

(ainda há muitos miúdos que marcam a diferença, positivamente, claro)

R. disse...

A grande diferença entre decorar e raciocinar... :)

Gi disse...

Ele lá decorar sabia, não sabia era saltear. ;)

Castanha Pilada disse...

Senhora, o miúdo era mais sensato que o pai. Sem dúvida.

Paula, foi mesmo.

Mariquinhas, o pai era só tosco coitadinho.

R. uma grande diferença mesmo.

Lol GI, nem mais!

Emiele disse...

A Gi teve graça e acertou na mouche! O «anterior ensino» era um treino desenfreado de memória, e ... parecia que chegava. É bom treinar-se a memória (e o de hoje, muitas vezes, tem falta disso) mas não se pode pensar que se «sebe» aquilo que se decorou. De resto se a frase final do filho era mesmo para 'compensar' o pai com um elogio, então o puto era mesmo de 5 estrelas!

PreDatado disse...

Espectáculo. Que pena que para pagar a guia tivesses de pedir o número de contribuinte em vez de todas as estações, apeadeiros e horários dos comboios da linha da Lousã!

Saltapocinhas disse...

Eu passo-me com aquelas pessoas que dizem que antigamente é que o ensino era bom, grrrrrr!!
O miudo deu uma lição ao pai, pena foi ele não ter entendido!

Mas nessas coisas aéreas, tipo google earth eu sou muito trenga, nunca vejo nada!
acreditas que são os garotos que acham tudo com uma facilidade incrivel?

Castanha Pilada disse...

Emiele, eu fiquei com a sensação que aquela coisa não era pai daquele filho. Mas pronto isso fui eu a pensar...

Predatado, eu bem me pareceu que ele estava disposto a papaguear mais qualquer coisa!

Pois Saltapocinhas, é uma questão de hábito. Mas nós tentamos ajudar imenso as pessoas, só que às vezes mesmo assim é um espectáculo. É do tipo: "Aqui está a igreja. A senhora, se estiver de costas para a porta da igreja, segue para onde para chegar a sua casa?". E ela responde "Vou sempre para o lado da minha casa!"

Saltapocinhas disse...

ihihihih!!
haja pachorra!!