sexta-feira, 31 de julho de 2009

A D. Lurdes era uma querida! Nunca se esquecia do aniversário de ninguém! Só se esquecia do que tinha oferecido nos anos anteriores, mas também não se pode exigir tudo a uma pessoa só, ninguém é perfeito!
A minha mãe, por exemplo, já tinha uns cinco ratinhos em biscuit branco com uns retoques a tinta dourada e uma batuta na mão como se estivessem a dirigir uma orquestra. Muito nós nos divertimos anos a fio com a prateleira dos ratinhos maestros oferecidos pela D. Lurdes!...

6 comentários:

Maria disse...

"Biscuit branco con uns retoques a tinta dourada" é sempre delicioso!!!
"Perfeito"- perfeito seria a senhora oferecer a orquestra toda e não só o maestro repetido!:))

Emiele disse...

:)))
E a tua mãe guardava-os mesmo?...
Que querida.
Mas olha que eu não sou perfeita mas faço pontaria. Tenho guardado aqui no pc uma lista com as prendas de Natal, exactamente para não me repetir... muito. Como gosto de personalizar e dar de acordo com o gosto de cada um, e os gostos não costumam mudar posso sem querer repetir.

Paula Raposo disse...

Coisas que acontecem. Vale a intenção...beijos.

A Senhora disse...

Acho que sou nada querida - já consegui esquecer meu próprio aniversário e ainda ter a capacidade de perguntar a pessoa por que ela estava me cumprimentando. Imagina dar presente!
Ainda bem que eu tenho uma irmã que lembra tudo! Até dar sugestão de presente! :))

beijinhos

Castanha Pilada disse...

Maria, o diabo dos ratos eram uma praga!!! :)))

Emiele, a minha mãe guardava-os, e num local visível! Para quando ela ver quando aparecesse lá em casa. Mas nem se tocava!

Paula, isso é o que se diz sempre. Mas eu duvido um bocado da boa intenção de comprar ratos maestros por atacado :)))

Senhora, aquela irmã a quem deste com o biberon na cabeça não é? Ingrata! :)))

A Senhora disse...

:)))) A própria!! Ela não me deixa esquecer de muuuitas coisas... :)))