quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Comprei a minha primeira câmara de vídeo quando elas ainda eram uma novidade. Era enorme, comia cassettes VHS, pouco dava em troca e custou muito, muito dinheiro para o meu orçamento. Mas valeu a pena porque me diverti imenso com ela, e acho que os meus filhos também. Nos fins-de-semana e nas férias, construíamos pequenos argumentos, desenhávamos os créditos em folhas de papel cavalinho que um deles ia passar à mão, discretamente e, como a tal dita máquina não era tão boa que desse para adicionar música aos filmes, tínhamos que a ter a tocar no próprio ambiente de filmagem quando o guião a exigia. Quantas vezes tivemos que recomeçar um filme porque alguém tocou à campaínha ou porque tocou o telefone!
Ainda hoje não perdi esta capacidade de ser absolutamente infantil sem recorrer a nenhum esforço. Não sei se é uma virtude ou um defeito. Mas às vezes penso que quando for velhinha, naquela idade em que nos tornamos criancinhas mesmo sem querer, não sei o que será de mim, não sei não! Ninguém me vai aguentar!

9 comentários:

Emiele disse...

Bravo!
E imagino que ainda existam esses filmes-de-trazer-por-casa?
É realmente um dom, quando conseguimos manter esse espírito de descoberta e nos encantarmos com tudo.
Cá por mim, acho que ao envelhecer isso até fica «refinado» e vais ser uma velhinha sensacional!

A Senhora disse...

Acho que vai ser a velhinha mais interessante e divertida com quem se pode conversar!

A propósito... Ainda faz filminhos? :)

Taralhoca disse...

Cá por casa esses filmes estão bem escondidos. São só para alguns olhos. Os olhos dos que gostam de desenhos animados, de fazer birra e de ter pouca vergonha. Os meus, por exemplo...

Castanha Pilada disse...

Emiele, claro que os filminhos ainda existem! Até os mandei passar a DVD! São uma relíquia! :)))

Oh Senhora, espero que haja pelo menos muita gente a pensar assim! Lol!

Ai é Taralhoca? É que eu estava a pensar pôr os meus no YouTube! Vou pensar melhor...

Escrevendo na Pele disse...

Que texto delicioso esse, e quanto à sua velhice... serás uma velhinha bastante serelepe!! Beijos.

Castanha Pilada disse...

Não sei o que é serelepe, mas promete! :)))

Monday disse...

Serelepe normalmente é o termo que usamos aqui para crianças que não param quietas, estão sempre procurando algo para fazer ou vivem a perturbar a paciência dos adultos ...

mas concordo com minhas amigas aí acima: vais ser uma velhinha e tanto, cheia de histórias pra contar ...

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Continue assim, é o que lhe desejo.

Castanha Pilada disse...

Lol Monday, velhinha irrequieta é melhor ainda!!!

Vou tentar Carlos :)))