quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Do alto dos seus oito anos ele decidiu que queria ser músico. Já tinha passado a fase de querer ser médico, bombeiro e homem do lixo, este último pela motivação de ordem prática da dispensa de estudos. A professora da segunda classe era uma chata, mas a da terceira equilibrou as vontades.
Naquele dia, acordou com uma música na cabeça. Uma música novinha, inédita, nunca ouvida antes. Ou seja, um original da sua autoria. Então, com medo de se esquecer da melodia e do compasso e com isso passar ao lado da grande carreira que ambicionava, resolveu registá-la por escrito. Pegou no caderno da escola e num lápis rombudo e, seguindo aquilo que ouvia mentalmente, foi escrevendo, fluente como Mozart. Ao mesmo tempo, ia pensando, que palermice tão grande terem inventado aqueles símbolos todos, com bolinhas e pauzinhos em cima de linhas tão finas, quando era tão fácil registar uma música sem ser preciso nada disso. Que estúpidos!
No dia seguinte, quis reproduzir para os amigos o tema musical que tinha criado. Como era de esperar, já não se lembrava dos sons de que ele era feito. "Mas não faz mal" - disse ele excitadíssimo - "tenho tudo aqui escrito!"
Pegou no caderninho e abriu-o. E aí, sem que ninguém percebesse porquê, o seu sorriso aberto dissipou-se numa nuvem. À sua frente, tinha uma folha onde a palavra "pam" se encontrava repetida, a lápis rombudo, dezenas de vezes seguidas... embora agora não fizesse qualquer sentido.

10 comentários:

Miepeee disse...

Nao consigo viver sem musica, nao tenho boa voz para cantar mas adoro. Quando andava no ciclo tive educacao musical, tambem a mim me fazia confusao as colcheias, semi colcheias e todos os outros simbolos.
A musica esta dentro de cada um.

A Senhora disse...

:)))))
Tenho certeza que meu Arthur ainda vai achar excelente a idéia! E com certeza vai querer dar um jeito de argumentar contra as aulas de música! :))))

Castanha Pilada disse...

Miepee, eu com música tenho muuuuita história!!!

Então não lhe mostres Senhora! :)))

Anónimo disse...

Esse gajo é um cromo, lol.

Euzinho

Monday disse...

um gênio, sem dúvidas ...

Emiele disse...

Deliciosa, a história.
É tão fácil de pensar assim.
E olha que às vezes, mesmo na escrita já tenho feito abreviaturas (óbvias no momento) que depois levo um tempão a 'descodificar'!!!

PreDatado disse...

É verdade que os nossos sonhos muitas vezes se evaziam como se fossem um enorme PAM. Mas também é verddae que muitos de constroiem juntando os pequenos Pams do dia a dia.
A história está muito boa.

Gi disse...

Quase que teve que fazer pim pam pum, para se lembrar da música.

mfc disse...

E quando aponto qualquer coisa à pressa e depois não sei o que escrevi?!

Castanha Pilada disse...

Euzinho, conhecendo-o como nós conhecemos, a história ganha outra cor não é?

Monday, não somos todos génios nesta idade? Bem... alguns continuam.

Emiele e Mfc, no momento temos tanta certeza de estarmos a fazer uma grande coisa não é? :)))

Obrigada PreDatado. Mas o teu comentário está melhor.

Gi, não se lembrou mesmo! Nunca mais! Esfumou-se! :)))